A ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, disse esta terça-feira que a lei do financiamento dos bombeiros permitirá «melhorar o planeamento e a programação» dos investimentos necessários à contínua capacidade operacional das corporações.

«Mais do que um passo com reflexos muito importantes na prática operacional, é no nosso entender uma medida de inteira justiça», disse Anabela Rodrigues ao intervir durante a sessão de inauguração do Centro Municipal de Proteção Civil e Operações de Socorro de Portimão.

Segundo a ministra, uma vez que as associações de bombeiros são um pilar essencial no sistema de proteção civil, «impunha-se a elaboração de uma lei de financiamento» que permita a estabilidade das associações humanitárias detentoras dos corpos de bombeiros, relata a Lusa.

«A lei permitirá que o financiamento se proceda de forma estável e previsível, o que é determinante para um melhor planeamento, nomeadamente para a programação dos investimentos necessários à melhoria contínua da capacidade operacional», sublinhou.


A lei de financiamento dos bombeiros, que será em breve discutida no parlamento, prevê um aumento de cerca de 12% da verba atribuída pela administração central às associações humanitárias.

Anabela Rodrigues deslocou-se a Portimão onde inaugurou o Centro Municipal de Proteção Civil e Operações de Socorro, estrutura que junta no espaço instalado no edifício dos bombeiros, todos os agentes de proteção civil.

O centro, cujo investimento rondou os 50 mil euros suportado pela recém-criada taxa municipal de proteção civil, visa garantir os níveis de eficácia na prestação do socorro e salvaguarda do ambiente e do património, monitorizando em permanência a situação no concelho algarvio.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil, a Comunidade Intermunicipal do Algarve e a Federação de Bombeiros do Algarve formalizaram igualmente um protocolo que disponibiliza perto de 1,271 milhões de euros ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais do Algarve.

O Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais do Algarve (DEFIC) para 2015 vai receber perto de 953 mil euros da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e perto de 318 mil euros das 16 câmaras do distrito de Faro para a constituição de equipas de intervenção para o período mais vulnerável a incêndios florestais, de 15 de maio a 15 de outubro.