O incêndio que deflagrou no sábado, às 20:21, em Merufe, Monção, encontra-se "completamente descontrolado" e já "consumiu" várias casas, segundo afirmou à agência Lusa, a vice-presidente da Câmara local.

A nossa prioridade agora é apenas salvar vidas e bens. O fogo está completamente descontrolado. Já tivemos que evacuar vários lugares. O vento é muito forte e leva o fogo de um sítio para o outro. Está muito perigoso", afirmou hoje à Lusa, a vice-presidente da Câmara de Monção, Conceição Soares.

Segundo aquela responsável, "as habitações arderam nas freguesias de Longos Vales, onde já foram evacuados alguns lugares e em Bela".

Ainda não sabemos quantas casas arderam, nem se eram habitadas ou não", disse, garantindo que "os bombeiros estão a fazer o que podem".

Além de Longos Vales e Bela, o incêndio afeta ainda as freguesias de Barbeita e Anhões.

Segundo o 'site' da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), pelas 13:00, o incêndio, que deflagrou às 20:21 de sábado, no concelho de Monção, no distrito de Viana do Castelo, mobilizava 183 operacionais 56 viaturas e três meios aéreos.

Evacuações em Seia

Cerca de 30 pessoas foram retiradas este domingo de suas casas por precaução em aldeias do concelho de Seia, distrito da Guarda, onde lavra um incêndio florestal, disse o presidente da Câmara, Carlos Filipe Camelo, à agência Lusa.

Carlos Filipe Camelo adiantou que esses moradores “são sobretudo idosos, que saíram voluntariamente”, mas que “houve outras pessoas que não quiseram sair” das habitações, nos lugares de Póvoa Velha, Póvoa Nova, Vales e Sabugueiro.

Há cuidados redobrados em relação à população mais idosa”, acrescentou.

Segundo o autarca, “serão no máximo umas 30 pessoas” que, até às 12:30, tinham sido retiradas das povoações mais próximas da zona onde lavra o incêndio florestal, no âmbito de uma ação coordenada pelas autoridades.

Esta intervenção preventiva junto das populações está a ser realizada por elementos da Proteção Civil do município de Seia, no distrito da Guarda, bombeiros e funcionários da Segurança Social.

De acordo com a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, atualizada às 12:48, o incêndio começou às 06:03 numa zona de mato na freguesia do Sabugueiro e está a ser combatido por 234 operacionais, apoiados por 74 viaturas e um meio aéreo.

Três frentes na Lousã

O fogo florestal que eclodiu no concelho da Lousã lavra em três frentes e está a obrigar à evacuação de várias localidades, disse à agência Lusa, uma fonte da GNR de Coimbra.

As povoações que estavam a ser evacuadas, às 13:00, são Serpins, Alcaide, Póvoa e Boque, na freguesia de Serpins e em território da União de Freguesia de Lousã e Vilarinho, adiantou um oficial do Comando Territorial de Coimbra da GNR.

Segundo a mesma fonte, a circulação está “interdita em várias estradas” da zona.

Este incêndio começou às 08:41, próximo de Vilarinho, e está a ser combatido por 362 operacionais, apoiados por 95 viaturas e três meios aéreos, de acordo com a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, atualizada às 13:27.