Nove detidos em flagrante delito, 130 suspeitos identificados e 1.630 incêndios investigados é o balanço da ação da GNR de 15 de maio a 30 de junho, integrada na operação Floresta Segura, informou, esta quarta-feira, a força de segurança.

Assim, e de acordo com a GNR, de 01 de janeiro até 30 de junho já foram detidos em flagrante delito 14 suspeitos por crime de incêndio florestal e identificados 247 suspeitos.

Na fase Bravo, que terminou a 30 de junho, a GNR efetuou 8.666 patrulhas, tendo sido fiscalizados 263.519 terrenos, no âmbito de um plano de operacionalização do sistema de defesa da floresta contra incêndios.

Dos dados operacionais registados pela GNR na fase Bravo constam ainda 399 autos de contraordenação no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, 536 autos de notícia por crime de incêndio florestal, 259 ações de sensibilização, 30 ações de combate a incêndios florestais por via terrestre, 227 missões helitransportadas de primeira intervenção em incêndios florestais e 1.841 incêndios.

As ações da GNR patrulhamento e vigilância das zonas florestais e as intervenções no combate a incêndios florestais estiveram a cargo do efetivo do Serviço de Proteção da Natureza e Ambiente e do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro.