O Governo Regional da Madeira resolveu desativar o Plano Regional de Emergência de Proteção Civil operacionalizado na sequência dos incêndios que deflagraram a passada semana na ilha, informou o executivo insular numa nota divulgada esta noite.

A nota refere que esta decisão foi tomada numa reunião extraordinária do executivo madeirense, liderado pelo social-democrata Miguel Albuquerque, ocorrida seta terça-feira, porque “presentemente, as condições de segurança da população se encontrarem garantidas” e estão “restabelecidas as condições de normalidade”.

O Plano Regional de Emergência de Proteção Civil da Madeira foi acionado na terça-feira na sequência das grandes proporções que os incêndios que deflagraram na segunda-feira, na freguesia de São Roque, no concelho do Funchal, que se propagaram a outras localidades.

Também a Câmara Municipal do Funchal deliberou desativar esta terça-feira o Plano Municipal de Emergência, mantendo a vigilância nas zonas afetadas e naquelas consideradas mais preocupantes, como a freguesia de Santo António.

O Funchal foi o concelho mais fustigado, mas o fogo também afetou outros municípios, na zona oeste da ilha, como Ponta do Sol e Calheta.

Os fogos provocaram três vítimas mortais, um ferido grave, cerca de mil pessoas tiveram que ser retiradas de hospitais, clínicas, lares de idosos, hotéis e habitações.

Aproximadamente três centenas de imóveis sofreram danos e os danos materiais ainda não estão totalmente contabilizados.