O fogo que lavrava desde sábado em São Pedro de Veiga de Lila, concelho de Valpaços, distrito de Vila Real, foi dado como dominado esta segunda-feira ao final a tarde, de acordo com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

O fogo, que teve início no sábado às 15:20, foi dado como dominado esta segunda-feira às 19:30, segundo informação disponibilizada na página da ANPC na Internet.

Encontravam-se no terreno a combater este incêndio florestal 199 operacionais e 56 viaturas, segundo a informação disponibilizada pela ANPC pelas 20:15.

O comandante operacional nacional, José Manuel Moura, disse hoje que o distrito de Vila Real registou 356 incêndios em 12 dias e que o combate tem sido dificultado pelas condições meteorológicas adversas associadas ao «estado da floresta».

Nos últimos dias, Vila Real tem sido um dos distritos do país mais afetado pelos fogos. José Manuel Moura fez questão de vir hoje ao terreno «dar um sinal» ao dispositivo que tem «sido exposto a um esforço dantesco».

Segundo José Manuel Moura, desde 15 de agosto, o distrito registou 356 ignições, muitas delas a «passar do ataque inicial para o ataque ampliado e a obrigar à mobilização de um conjunto de meios significativos».

O elevado número de ignições no distrito transmontano obrigou à vinda de vários grupos de reforço de outras zonas do país. Mas, para além do número de ignições, verificou-se ainda o prolongamento dos incêndios por vários dias.

Às temperaturas que ultrapassam os 30 graus, junta-se a baixa humidade e os ventos que chegaram a atingir os 30 e 40 quilómetros hora.

O incêndio que começou esta madrugada em Briteiros, Guimarães, e chegou à encosta do Sameiro, em Braga, está «dominado» mas os bombeiros vão permanecer «vigilantes», disse à Lusa o comandante dos Bombeiros Voluntários das Taipas.

Segundo Hermenegildo Abreu, o fogo, que chegou a ter duas frentes e "rondou ao longe" o santuário do Sameiro, foi controlado por voltas das 19.15 horas. «Neste momento estamos em fase de rescaldo. O fogo está dominado e correu bem», disse o responsável em declarações à agência Lusa.

No entanto, garantiu, «os bombeiros vão continuar vigilantes e atentos a qualquer sinal de possível reacendimento».

O fogo teve início por volta das 07.15 horas em Briteiros, Guimarães, e por volta do «início da tarde atingiu o concelho de Braga pela encosta do Sameiro» mas, realçou o operacional, «o santuário não esteve em perigo».

O comandante adiantou ainda que «o que ardeu foram campos, cultivos e área florestal com muitos eucaliptos».