O incêndio que hoje à tarde deflagrou em pleno Parque Natural do Douro Internacional, entre as localidades de Vale de Águia e Aldeia Nova, no concelho de Miranda do Douro, já está «em fase de rescaldo».

«Vamos manter no terreno um dipositivo de combate às chamas durante a fase de rescaldo de forma a evitar reacendimentos», disse cerca das 22:30 à Lusa o Comandante Operacional distrital de Bragança, Noel Afonso.

O incêndio na área protegida do Douro Internacional foi combatido por bombeiros portugueses e espanhóis, antes de passar a fronteira e, segundo a agência EFE, ameaçar povoações na província de Zamora.

As chamas também consumiram espécies autóctones da área protegida espanhola do Parque Natural das Arribas del Duero (Espanha).

«O fogo foi projetado para o terreno, após as chamas terem consumido um palheiro em Vale de Águia no concelho de Miranda do Douro», disse à Lusa. Ainda de acordo com o operacional, as chamas lavraram numa área de difícil acesso para as viaturas de combate a incêndios.

O fogo foi combatido 59 bombeiros, apoiados por 13 viaturas operacionais e chegaram a estar envolvidos quatro meios aéreos, sendo que três eram espanhóis.

De acordo com a EFE o incêndio estava hoje à noite a lavrar em Villardiegua de la Ribera, na zona oeste de Zamora, avançando para a localidade zamorana de Villadepera, obrigando a cortar duas estradas provinciais e a mobilizar a Unidade Militar de Emergências.

«Devido à proximidade das chamas, tiveram de ser cortadas as estradas provinciais ZA-2220 e ZA-321», relata a agência EFE

Também os habitantes das localidades de Villardiegua de la Ribera foram desalojados de suas casas, e transferidos para o pavilhão dos desportos da localidade fronteiriça de Bermillo de Sayago (Zamora).

Diversas entidades civis e militares estão no combate às chamas e no «auxílio» às populações afetadas.