Vinte e cinco pessoas ficaram feridas durante a noite no incêndio que lavra desde sexta-feira no concelho de Monchique e que já obrigou a evacuar diversas localidades e pelo menos uma unidade hoteleira.

Um dos feridos, uma senhora de 72 anos, estava em estado grave e teve de ser transportada de helicóptero para o Hospital de São José, em Lisboa.

Num balanço feito esta manhã pelo comandante operacional distrital de Faro, Abel Gomes, foi divulgado que 44 pessoas foram assistidas (31 operacioanais e 13 civis).

A situação é muito mais favorável, mas continua a ser sensível, temos pontos quentes que nos causam grande preocupação", reconheceu o comandante. 

O flanco direito do incêndio está agora a progredir para as Caldas de Monchique e o flanco esquerdo na direção de São Marcos da Serra, sendo que parte da cabeça do incêndio progride em direção a sul, à Estrada Nacional (EN) 124, com "várias projeções em direção às Caldas de Monchique e ao Barranco do Barreiro, que provocaram muitas situações complicadas".

O combate às chamas está, contudo, a ser dificultado pelo fumo, que impediu empenhar logo pela manhã a atuação dos meios aéreos. Estes só conseguirão operar em segurança quando o fumo se dissipar, sublinhou.

O responsável acrescentou ainda não ter confirmação de casas de habitação permanente ardidas, havendo apenas informação de algum edificado afetado, que não conseguiu precisar se são habitações, estruturas de apoio agrícola ou edifícios devolutos.

Para as 11:00 está prevista uma reunião da Comissão Distrital de Proteção Civil, onde participará o comandante operacional distrital, Vítor Vaz Pinto.

O incêndio era, às 07:00 desta segunda-feira, o único fogo em curso no país. As chamas, que na noite do domingo chegaram às portas da vila algarvia, estão a ser combatidas por mais de 1000 operacionais, apoiados por 331 viaturas.

O fogo deflagrou cerca das 13:30 de sexta-feira em Perna da Negra.

As chamas obrigaram à evacuação de vários aglomerados habitacionais ao longo dos três dias.

Na noite de domingo, o fogo chegou à entrada da vila algarvia, causando uma grande preocupação. A Proteção Civil admitiu a existência de casas ardidas

Num conjunto de pequenas povoações ao longo do incêndio, pode ter havido casas isoladas que podem ter sofrido as ações das chamas”, disse o comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil, Duarte da Costa, durante uma conferência de imprensa, na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em Carnaxide, Oeiras, onde foi feito o ponto de situação sobre as operações dos últimos dias.

Os habitantes que foram retirados de algumas aldeias estão a pernoitar numa escola, com condições criadas pela Câmara Municipal para as albergar em segurança.

Durante a noite, uma unidade hoteleira no lugar do Montinho, em Monchique, também teve de ser evacuada. Os hóspedes do Macdonald Monchique Resort & Spa foram distribuídos por dois outros hotéis junto a Alvor, disse à Lusa um funcionário.

Pelas 05:00 ainda eram visíveis alguns populares na rua, incluindo crianças, incapazes de “pregar olho”, dada a apreensão sentida.

O Plano Municipal de Emergência está ativado desde a madrugada de sábado.