Os incêndios florestais consumiram este ano 4.424 hectares de área ardida, mais 48 por cento do que no mesmo período de 2013, indicou hoje o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

O relatório provisório de incêndios florestais do ICNF indica que, entre 01 de janeiro e 15 de junho, registaram-se 2.713 ocorrências de fogo, mais 389 do que no mesmo período de 2013, que resultaram em 4.424 hectares de área ardida, entre 1.865 hectares de povoamentos e 2.559 hectares de matos.

«Comparando os valores do ano corrente com o histórico dos últimos dez anos, destaca-se que se registaram menos 51 por cento de ocorrências relativamente à média verificada no decénio e que ardeu menos 60 por cento do que o valor médio de área ardida no mesmo período», lê-se no mesmo documento.

O ICNF justifica os valores «substancialmente inferiores» aos últimos dez anos com a chuva dos primeiros meses do ano.

Segundo o ICNF, o maior número de ocorrências registou-se no distrito do Porto (539), seguido de Braga (314) e Vila Real (273), sendo os incêndios maioritariamente fogachos, ou seja, ocorrências de pequena dimensão que não ultrapassaram um hectare de área ardida.

Já os distritos com maior área ardida são a Guarda (871 hectares), Viana do Castelo (811 hectares) e Braga (645 hectares).

Maio foi o mês com maior número de incêndios, com 1.150 fogos, que provocaram 1.489 hectares de área ardida, enquanto em março registou-se mais área ardida (1.748 hectares) devido às 645 ocorrências.

O relatório adianta ainda que se registraram cinco grandes incêndios este ano, que consumiram 1.105 hectares de espaços florestais, 25 por cento do total da área ardida até 15 de junho.

O maior incêndio deste ano ocorreu no dia 15 de junho em Portimão, distrito de Faro, e consumiu cerca de 384 hectares de floresta.