A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta quarta-feira que deteve duas pessoas por suspeita de crime de incêndio florestal. Num dos casos trata-se da detenção de uma mulher de 44 anos, que é suspeita de um crime de incêndio florestal em Penamaior, Paços de Ferreira. O outro diz respeito à detenção de um agricultor pela presumível autoria de um crime de incêndio florestal, registado a 8 de outubro em Barrô, Resende.

Em comunicado enviado à Lusa, refere-se que a detenção da mulher ocorreu na terça-feira, "fora de flagrante delito", com a colaboração da GNR de Paços de Ferreira, após a ocorrência de crime de incêndio florestal.

O fogo foi provocado por uma queima de sobrantes agrícolas que se descontrolou e pôs em perigo habitações vizinhas, segundo a autoridade policial.

A suspeita tinha conhecimento que era totalmente proibida a realização de queimas e queimadas", acrescenta-se no comunicado.

A detida, empregada doméstica, vai ser presente à autoridade judiciária para primeiro interrogatório.

Já em Resende, a PJ anunciou a detenção de um agricultor de 31 anos pela presumível autoria de um crime de incêndio florestal, registado a 8 de outubro em Barrô, Resende.

Em comunicado, a polícia acrescenta que, além da floresta e do mato, o incêndio pôs em perigo uma zona de habitações.

Na operação, a PJ contou com a colaboração do Núcleo de Proteção Ambiental de Lamego da GNR.

O detido vai ser apresentado às autoridades judiciárias, para primeiro interrogatório e aplicação das respetivas medidas de coação.

Em 2017, a PJ já identificou e deteve 107 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.