As autoridades detiveram 128 pessoas pelo crime de incêndio florestal este ano, mais 75% em relação a 2016. O balanço é da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Até ao dia de hoje, as autoridades com competência nesta matéria têm 128 detidos, número bastante superior em relação a 2016, que eram 73”.

Esta informação foi prestada pelo comandante operacional nacional, Rui Esteves, numa conferência de imprensa sobre o ponto de situação dos incêndios rurais registados entre 29 de agosto e 4 de setembro, bem como as expetativas para a próxima semana.

Hoje mesmo foi anunciada a detenção de um construtor civil suspeito de atear fogos em Tarouca, no distrito de Viseu.

Na última semana, deflagraram 439 incêndios florestais, que mobilizaram 2.605 veículos e 221 meios aéreos. Os distritos de Castelo Branco e Guarda foram os mais afetados.

Veja também:

Rui Esteves adiantou que ocorreu uma diminuição do número de incêndios durante os dias 29 de agosto e 4 de setembro em relação à semana anterior, ao registar-se menos 512 fogos. Choveu em alguns destes dias.

Na última semana, diminuíram os incêndios diurnos e aumentaram os que tiveram início durante a noite.

Para os próximos dias, o comandante operacional nacional avançou que as temperaturas vão variar entre os 28 e os 32 graus, mantendo-se o risco de incêndio nas classes de elevado e ‘muito elevado’ nos distritos do interior norte e centro e Algarve.