A Comissão Europeia contabiliza esta quarta-feira mais de 500 mil hectares de florestas queimados este ano pelos incêndios, o que é um recorde de área ardida, sendo mais de metade registada na primeira quinzena de outubro.

O Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), que apresenta as áreas ardidas cartografadas em imagens de satélite, indica que, entre 01 de janeiro e hoje, os fogos consumiram 519.748 hectares de florestas.

Segundo o sistema do Centro de Investigação Comum da Comissão Europeia, na primeira quinzena de outubro arderam 240.767 hectares de florestas.

Na terça-feira, a Autoridade Nacional de Proteção Civil indicou que o sistema português contabiliza 225.447 hectares de floresta ardida este ano (equivalente ao distrito de Viana do Castelo).

Esta diferença de valores justifica-se com o facto do sistema europeu se basear numa análise feita por satélite, enquanto o sistema português aguardar pela validação no terreno.

Segundo os dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), os piores anos de sempre em área ardida registaram-se em 2003 (425.839 hectares) e 2005 (339.089).

Mais de metade da área ardida contabilizada este ano na União Europeia registou-se em Portugal.

Além dos 519.748 mil hectares de florestas queimadas, os incêndios provocaram ainda mais de 100 mortos em quatro meses.