Uma fábrica, casas e anexos foram destruídos pelo incêndio que está a atingir o município de Cantanhede, um fogo que começou na Figueira da Foz e que também já alastrou ao concelho de Mira, disse um autarca.

A presidente da Câmara de Cantanhede, Helena Teodósio, em declarações à agência Lusa na Praia da Tocha, falou numa situação muito complicada e voltou a pedir mais meios para o combate.

“Neste momento, temos de ter serenidade, mas a serenidade também faz com que tenha de manifestar o meu desagrado com a situação. Sabemos que há muito fogo por todo o lado, mas aqui estamos completamente entregues a nós próprios”, disse.

No terraço de um edifício na Praia da Tocha é possível perceber a linha de fogo, com uma extensão de 30 quilómetros entre a Figueira da Foz e Mira.

“Ardeu uma fábrica e não estava lá ninguém a combater. Para além dessa fábrica, uma outra foi atingida. Os bombeiros tentam acautelar as habitações e, neste momento, é impossível perceber a extensão dos prejuízos”.

Para a autarca, tudo isto “é um desânimo muito grande”.

“Tudo o que está a arder são os bens de pessoas”.