O secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, Pedro Gonçalves, revelou que o Banco de Portugal (BdP) aprovou esta segunda-feira a licença final da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), conhecida como Banco de Fomento.

“A partir de hoje o Banco está em velocidade de cruzeiro.Com a autorização do BdP está mandatado para cumprir todas as operações que estão previstas nos seus estatutos”, disse à Lusa Pedro Gonçalves.


Segundo o membro do Governo, “é mais um passo, mais uma fase que arranca do IFD, já a funcionar em pleno e a que se junta o processo público de candidatura para a equipa técnica do IFD”.

Esta aprovação pelo BdP marca, de acordo com Pedro Gonçalves, “a entrada em definitivo e em funcionamento total do Banco, sem qualquer limitação”.

A 11 de setembro do ano passado, o Governo aprovou a criação e aprovação dos estatutos do Banco de Fomento, um dia depois de o BdP ter dado luz verde à nova instituição pública de crédito.

Nessa data, o ministro da Economia, Pires de Lima, anunciou que a IFD ia iniciar a operação gradualmente a partir do último trimestre de 2014, com um capital inicial de 100 milhões de euros.

O Governo entregou em maio de 2014 o pedido de autorização para a criação da IFD ao Banco de Portugal, que tinha seis meses para se pronunciar.

A comissão instaladora do IFD é liderada pelo antigo diretor-geral do Millennium investment banking, Paulo de Azevedo Pereira da Silva, e mantém como vogais Carla Chousal, ex-administradora da RTP e do BPI, e Nuno Miguel Soares, que também integrou a direção do BCP.