A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta quarta-feira a detenção de um homem de 22 anos «fortemente indiciado» por sete crimes de incêndio florestal ocorridos na segunda e na terça-feira em Sobrado, concelho de Valongo.

Em comunicado, a PJ esclarece que o suspeito atuava «num quadro de diversão e incendiarismo» e, deslocando-se «num veículo automóvel por caminhos florestais, próximos do local de residência», usava «bombas de carnaval para deflagrar os incêndios».

«A quantidade de incêndios ateados em apenas 24 horas geraram grande alarme social na localidade», destaca a PJ.

No total, nas manhãs de segunda e terça-feira, o eletricista agora detido provocou «sete focos de incêndio florestal», que queimaram «uma área de cerca de sete hectares de floresta composta por eucaliptal».

O homem ateou ainda «outros dois focos de incêndio que apenas causaram fogos de pequena dimensão», porque foram «imediatamente detetados e combatidos pelos sapadores florestais».

A PJ acrescenta que o detido vai ser presente a um primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

PJ deteve dois alegados autores de incêndios em S. Pedro do Sul

A PJ anunciou esta quarta-feira a detenção de dois jovens de 16 anos suspeitos de terem ateado vários focos de incêndio no concelho de S. Pedro do Sul, em maio.

Os dois jovens, estudantes, foram detidos na terça-feira pela PJ, através do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro.

A PJ explica, em comunicado, que, no início de maio, os dois suspeitos, «durante o intervalo das aulas para o almoço, dirigiram-se, com outros dois menores, a um rio próximo da escola, no concelho de São Pedro do Sul, onde tomaram banho».

«No percurso de regresso à escola, foram ateando diversos focos de incêndio, que foram apagando, até que os dois últimos acabaram por dar origem a um incêndio de grandes dimensões», que consumiram aproximadamente 2,5 hectares de floresta, acrescenta.

Segundo a PJ, uma vez que se tratava de «uma zona com arvoredo e vegetação bastante densa, o incêndio só não tomou proporções ainda maiores porque foi prontamente combatido pelos bombeiros».

Por outro lado, «nessa altura do ano os índices de humidade ainda eram elevados», acrescenta.

Os jovens vão ser submetidos a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.