O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, afirmou, esta terça-feira no parlamento, que «arderam 1,9 milhões de hectares» de floresta, nos últimos 14 anos, em Portugal.

Miguel Macedo, que encerrou o debate do Relatório do Grupo de Trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais, disse que a área ardida «ao longo dos últimos 33 anos foi de 3,5 milhões de hectares».

O membro do Governo PSD/CDS-PP aludiu ainda a estudos que apontam que um por cento de incêndios florestais são provocados por «causas naturais», enquanto «25% têm origem intencional, 27%, negligência, e 47%, causas desconhecidas».

O ministro da Administração Interna sublinhou que «o Governo incorporou, por antecipação, algumas recomendações do relatório, algumas delas vertidas nos relatórios de incêndios florestais em 2013», que provocaram a morte de oito bombeiros.

O plenário debateu hoje o Relatório do Grupo de Trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais, que resultou de um trabalho de cinco meses de deputados de todos os partidos com assento parlamentar, que aprovaram o documento por unanimidade.

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, anunciou hoje que relatório será votado amanhã, no plenário, como projeto de resolução da Assembleia da República, apresentando um conjunto de recomendações ao Governo, para assegurar uma «maior eficácia no combate aos incêndios florestais».