As duas crianças que sofreram ferimentos graves provocados por um incêndio, no sábado, numa habitação em Boaldeia, no concelho de Viseu, mantêm «prognóstico reservado», disse hoje fonte do Hospital Pediátrico de Coimbra (HPC).

As crianças «vítimas de queimaduras», de 18 meses e 11 anos de idade, encontram-se «ventiladas, clinicamente estáveis e a evoluir favoravelmente», acrescentou o gabinete de comunicação do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), no qual está integrado o HPC.

Com «prognóstico reservado», as duas crianças estão «internadas na Unidade de Cuidados Intensivos» do HPC, para onde foram transportadas de helicóptero na manhã de sábado, pouco depois de ter deflagrado o incêndio que deixou a casa unifamiliar onde residem com os pais sem condições de habitabilidade.

A criança de 18 meses de idade ficou com «cerca de 30 por cento da superfície corporal queimada (face, cabeça e membros superiores e inferiores)», revelou, no sábado, o gabinete de comunicação do CHUC.

A outra criança, de 11 anos de idade, tem «cerca de 15/20 por cento da superfície corporal queimada (membros superiores e inferiores e face)».

A mãe das crianças, que «ficou em estado de choque», foi socorrida no Hospital de São Teotónio, em Viseu, mas «teve alta médica» no sábado, disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros Municipais de Viseu (BMV).

A mãe das duas crianças, foi realojada, tal como o marido, por familiares.

Quando os bombeiros chegaram ao local da explosão, pouco depois do alerta, às 10:32 de sábado, a casa já estava «tomada pelas chamas» e as duas crianças já tinham sido retiradas do interior da habitação por populares, disse à Lusa a mesma fonte dos BMV.