A Polícia Judiciária (PJ) anunciou a detenção, em Cinfães, no distrito de Viseu, de um pastor de 36 anos, pela alegada prática de um crime de incêndio florestal ocorrido no dia 3 de outubro.

Segundo a PJ, o suspeito foi detido "fora de flagrante delito", através da Diretoria do Norte, com a colaboração do Núcleo de Proteção Ambiental de Lamego da GNR.

A fonte refere que a detenção ocorreu no decurso de uma investigação de um crime de incêndio florestal, provocado por uma ignição ocorrida no dia 3 de outubro, no lugar da Presa, Cimo de Vila, Tendais, em Cinfães, que "pôs em perigo uma zona de habitações e consumiu cerca de 131 hectares de floresta".

O incêndio ainda teve um reacendimento no dia seguinte, pelas 15:20, e só foi extinto no dia 06 de outubro pelas 01:45, tendo destruído mais uma área de 44 hectares, e colocando em perigo pessoas e bens da localidade de Aveloso, acrescenta.

O detido vai ser presente às competentes autoridades judiciárias, para primeiro interrogatório e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

No corrente ano a PJ informa que já identificou e deteve 108 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.