O tanque do lugar de Nodeirinho, em Pedrógão Grande, não é muito grande. A água não parece muito limpa. Mas foi neste local que várias pessoas sobreviveram ao fogo de sábado, que matou 62 pessoas no concelho e 11 só aqui.

A TVI esteve esta manhã junto ao tanque onde, na madrugada de sábado para domingo, várias pessoas se sentaram na água, à espera que o fogo passasse.

O senhor Manuel foi uma delas. Com a esposa, a filha e o genro, saltou para o tanque que lhe serviu de alojamento improvisado enquanto via as chamas a arrasarem Nodeirinho.

“Se não fosse para dentro do tanque, morríamos. Era um lume de 20 metros, o lume aqui pelo ar… (…) Era aqui tudo no tanque, a meter a cabeça dentro da água, a beber a água…”

Não sabe dizer quanto tempo lá esteve. “Foi até passar o lume…”. Mas o tanque de Nodeirinho também viu morrer uma mulher que, segundo o senhor Manuel, já estava queimada antes e se enfiou no tanque, mas acabou por morrer no hospital.

“Ela gritava muito…”, recorda.

Entre os 11 mortos de Nodeirinho contam-se sobretudo os que tentaram fugir das chamas. Nos carros ou nas casas, o senhor Manuel também viu morrer familiares e conhecidos.