O incêndio na freguesia do Outeiro, em Viana do Castelo, concentra as atenções de mais de 200 operacionais este sábado de manhã. Os bombeiros contam com a ajuda de três meios aéreos, segundo o ponto da situação feito pela Proteção Civil às 10:00 na sua página.

Neste momento, está a arder uma área de floresta, mas, na noite de sexta-feira, o perigo espreitou junto a centenas de casas.

Este incêndio deixou ainda um bombeiro ferido, mas sem gravidade.

Dois bombeiros feridos em combate a incêndios em Viana e Monção

Chamas chegaram a estar a poucos metros da casa

A quase total ausência de vento permitiu aos bombeiros controlar esta noite a progressão do incêndio em Outeiro e Nogueira, no concelho de Viana do Castelo, onde as chamas chegaram a estar a poucos metros das casas.

«Vivemos com o que temos. Se não há vento é ótimo e não há dúvidas que favorece as operações», disse à agência Lusa o segundo Comandante Distrital de Operações de Socorro de Viana do Castelo, que no terreno coordena os meios que combatem o incêndio.

Pela 01:00, e ainda com três frentes ativas, o combate envolvia mais de 220 operacionais e meia centena de viaturas, acrescentou Robalo Simões.

Além de bombeiros de vários pontos do distrito de Viana do Castelo, foram também acionados Grupos de Reforço para Combate a Incêndios Florestais (GRIF) do Porto, Braga, Coimbra e Vila Real.

A estratégia dos bombeiros centrou-se no posicionamento de meios para a defesa do perímetro das centenas de casas que estão na linha do fogo, sobretudo em Outeiro e Nogueira, tendo em conta a grande extensão do incêndio.

Conforme a agência Lusa constatou no local, em vários pontos das duas freguesias o fogo esteve a poucos metros das casas, defendidas com meios dos bombeiros e dos próprios moradores.

Entretanto, face à quase total ausência de vento, à descida da temperatura e com o aumento de elementos no terreno, os bombeiros pretendem aproveitar a madrugada para "consolidar o combate".

Ainda assim, mantêm-se no terreno meios para a evacuação de habitantes da freguesia de Outeiro, nomeadamente cinco ambulâncias e uma viatura com pessoal médico do INEM, «preposicionados» para um eventual cenário de evacuação.

«À partida não vão ser precisas», admitiu Robalo Simões, mantendo a previsão de «várias horas» para dominar o incêndio.

As chamas deflagraram pelas 13:37 de sexta-feira no monte do Ramalhão, em Outeiro, nos arredores da cidade de Viana do Castelo, e propagaram-se às freguesias vizinhas de Nogueira, Perre e Cardielos, ameaçando ainda Santa Marta de Portuzelo.

A grande extensão das frentes de fogo e as dificuldades de acesso têm sido as grandes dificuldades dos bombeiros, tendo as chamas destruído uma vasta área de mato mas também de pinhal e eucaliptal.