O incêndio que deflagrou quarta-feira em Oura, Chaves, mantinha hoje pelas 00:15 duas frentes ativas mas a evoluir favoravelmente ao combate, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

No combate às chamas estavam, depois da meia noite de hoje, 333 operacionais e 109 viaturas. Os meios aéreos tinham sido desmobilizados com o cair da noite, na quarta-feira.

O fogo avançou em três frentes. Para o local foram mobilizados quatro grupos de reforço: do Porto, de Braga, Força Especial de Bombeiros e Grupo de Intervenção Permanente.

As chamas deflagraram na zona de Oura, concelho de Chaves, e desceram para o concelho de Vila Pouca de Aguiar, aproximando-se da aldeia de Vila do Conde.

A Estrada Nacional 2 (EN2) foi, entretanto, reaberta, tal como outras estradas municipais que ligam Vila do Conde ou Loivos.

Na aldeia de Vila do Conde, a agência Lusa pode constatar que se viveram momentos de alguma preocupação devido à aproximação do fogo, que ainda rodeou alguns quintais, e também por causa do fumo intenso que caiu sobre a localidade.

Luís Dias, membro da direção do Clube de Golfe de Vidago, ficou parado num cruzamento, porque a GNR não o deixou passar para ver como estava o campo, localizado junto à aldeia de Vila Real.

Referiu que durante a tarde, os helicópteros mobilizados para o combate ao fogo foram abastecer nas lagoas do campo de golfe, uma situação que já é usual quando se verificam fogos nesta região.

"Sempre que é possível nós facilitamos", sublinhou.

"O fogo esteve a cerca de 200 metros do campo de golfe. Queria ir ver como está o campo, mas não me estão a deixar passar", sublinhou.

A agência Lusa tentou ouvir os responsáveis locais pela Proteção Civil, mas não foi possível obter qualquer informação sobre o incêndio.

Segundo Patrícia Gaspar, desde as 00:00 de hoje registaram-se, em todo o país, 96 ocorrências de incêndios florestais, que mobilizaram 2.922 operacionais, 755 veículos e 44 missões com meios aéreos.