O Governo Regional da Madeira anunciou esta quarta-feira ser necessário cerca de 900 mil euros para efetuar pequenas reparações em casas afetadas pelos incêndios que assolaram a região na semana passada.

“Andam à volta de 80 as situações de pessoas que precisam de pequenas reparações nas suas habitações (…) e temos estimado um valor, precisamos de 900 mil euros para fazê-las”, disse hoje a secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rubina Leal, durante a entrega de material para apoio à reconstrução de uma habitação danificada, na freguesia Santa Luzia (Funchal), uma das mais afetadas pelos fogos.

A governante anunciou que já tem o “levantamento feito” e que, das cerca de 227 habitações já vistoriadas, foram registadas essas 80 situações de casas a precisarem de pequenas reparações, nomeadamente em alguns anexos, “para terem o mínimo de habitabilidade”.

Rubina Leal explicou que as verbas que estão a ser aplicadas e disponíveis para iniciar as obras de reparação “vêm do fundo de socorro da segurança social [163 mil euros], bem como das doações financeiras que foram dadas nomeadamente de uma instituição bancária”.

“Estamos a aplicar essas verbas, os valores existem, as doações foram feitas e temos de dar as pessoas os instrumentos necessários para que as obras se realizem, que é o que estamos a fazer”, apontou.

Foi ainda anunciado pela responsável daquele departamento do Governo Regional a pretensão de solicitar ao Governo da República o “reforço destas verbas, nomeadamente, do socorro no âmbito da segurança social”.

A governante disse ainda que na terça-feira foi possível “encerrar o RG3 tendo atribuído uma habitação às pessoas que lá se encontravam”, justificando que era o objetivo delineado pelo Governo Regional

“Tínhamos de entregar o mais rápido possível uma habitação as pessoas e tínhamos de lhes dar condições mínimas para poderem estar em família” concluiu.

Os incêndios que fustigaram a Madeira na semana passada, afetando sobretudo o concelho do Funchal, deixaram um vasto rasto de destruição e fizeram três mortos, um ferido grave e cerca de mil desalojados.

Aproximadamente três centenas de imóveis sofreram danos que ainda não estão totalmente contabilizados.