O funeral do bombeiro de 41 anos que morreu na quinta-feira na Covilhã, durante o combate a um incêndio florestal, realiza-se no sábado, às 15:30, naquela cidade.

O corpo será transportado esta sexta-feira, às 19:00, para o quartel dos Bombeiros da Covilhã, onde ficará em câmara ardente até às 09:30 de sábado.

A essa hora será mudado para a Igreja da Estação (Santíssima Trindade). Às 15:30 realiza-se a missa de corpo presente e o funeral segue depois para o cemitério da cidade.

Pedro Rodrigues, 41 anos, solteiro, morreu depois de ter sido apanhado pelas chamas na sequência de «uma súbita mudança de vento», referiu à Lusa o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros da Covilhã, Joaquim Matias.

«Os bombeiros que o acompanharam contaram que o vento mudou muito rapidamente, deixando-os cercados pelas chamas. Eles conseguiram fugir, mas, infelizmente, o Pedro Rodrigues já não conseguiu escapar. Encontrava-se mais à frente, na primeira linha do combate», explicou o responsável.

Bombeiro com experiência, Pedro Rodrigues combatia o fogo que deflagrou na quinta-feira às 12:35 na freguesia da Coutada, Covilhã, e que só foi dominado às 22:43.

No combate às chamas chegaram a estar envolvidos mais de 400 bombeiros, apoiados por uma centena de viaturas e nove meios aéreos.

Populares e bombeiros tentaram, durante várias horas, travar um incêndio de enorme proporção que matou animais, queimou mato, floresta, barracões agrícolas e domésticos e que ameaçou dezenas de casas em freguesias dos concelhos da Covilhã e do Fundão.

Quando foi apanhado pelas chamas, ao início da tarde, Pedro Rodrigues encontrava-se na localidade do Peso, numa frente que tentava evitar que o fogo chegasse às habitações.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil já emitiu um comunicado em que expressa «publicamente as mais sentidas condolências pela morte trágica do bombeiro».