Um incêndio que deflagrou em Vila Nova da Barquinha, às 15:56, entrou em fase resolução às 18:40 tendo as chamas queimado parcialmente uma casa desocupada no centro da vila, disse o vice-presidente da autarquia.

O incêndio, que "lavrou em zona de mato e olival, muito perto do núcleo urbano" de Vila Nova da Barquinha, "chegou a queimar parcialmente uma porta de uma casa de segunda habitação, que estava desabitada", disse à Lusa Rui Constantino, vice-presidente da daquela autarquia do distrito de Santarém.

A casa está no centro da vila e deve ter sido uma fagulha impulsionada pelo vento que faz arder uma das portas da habitação, mas sem danos de maior ou feridos a registar", disse aquele responsável, tendo apontado "o vento e a proximidade das habitações" como fatores de maior risco e destacado a "prontidão e o ataque em força dos bombeiros" como elementos decisivos para o sucesso do combate às chamas.

O incêndio, que deflagrou perto da Praça de Touros e da estação ferroviária da localidade, obrigou ao "corte da EN3", que liga Vila Nova da Barquinha e Tancos, disse à Agência Lusa, por sua vez, o comandante dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova da Barquinha, Jorge Gama, situação que se mantinha às 19:00 devido ao muito fumo e à circulação das viaturas dos bombeiros.

A alternativa é circular por dentro da vila e não há a registar problemas de congestionamento de tráfego", afirmou.

No local continuam 163 operacionais, 46 meios terrestres e 3 meios aéreos, segundo os dados do site da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Um incêndio em fase de resolução significa, de acordo com a Proteção Civil, que não há perigo de propagação além do perímetro já atingido.

Um fogo em conclusão é um incêndio extinto com pequenos focos de combustão dentro do perímetro atingido, indicou a ANPC.