O dispositivo de combate ao incêndio que lavra, desde quarta-feira, na Serra do Caramulo vai ser hoje reforçado com aviões espanhóis, disse à Lusa o comandante adjunto de operações nacional da Proteção Civil, Miguel Cruz.

«É expectável que venhamos a ter um reforço neste teatro de operações de mais aviões anfíbios espanhóis Canadair, que virão hoje ao abrigo de um protocolo de ajuda mútua entre Portugal de Espanha», revelou o comandante adjunto, em declarações à Lusa.

De acordo com Miguel Cruz, às 08:15 de hoje, estavam 739 operacionais a combater quatro frentes do incêndio na Serra do Caramulo, apoiados por 228 veículos e três meios aéreos pesados: dois aviões franceses Canadair e um helicóptero pesado Kamov.

O incêndio do Caramulo, que «concentra especiais atenções», tinha, hoje de manhã, «uma frente com alguma extensão no concelho de Tondela, e que se desenvolve na zona de uma encosta da Serra, onde os meios têm estado a atuar e a tentar cortá-la, no sentido de conseguir dominar esta frente», disse o responsável.

Quanto ao possível risco de as chamas atingirem povoações, Miguel Cruz garantiu que a situação «está perfeitamente estabilizada e controlada, na medida em que os meios estão dispostos de forma a garantir que a salvaguarda das mesmas é absolutamente assegurada».

«Poderá haver algumas frentes que se vão aproximando dessas povoações, mas os meios estão lá, prontos para garantir que nada acontece às pessoas. Na eventualidade de haver necessidade, serão feitas as evacuações necessárias», referiu.

O comandante adjunto lembrou que quinta-feira foi um dia «muito complicado», tendo a Proteção Civil registado 413 ocorrências, «que é um valor extremamente elevado».

«Nesta manhã [hoje] já registámos 88 e temos neste momento [às 08:15] seis incêndios ativos», disse.

Além do incêndio do Caramulo, os fogos nos concelhos de Sátão (Viseu) e de Mondim de Basto (Vila Real) são os que concentram maior atenção por parte das autoridades.

O combate ao fogo em Sátão, que deflagrou na quinta-feira, envolve 228 operacionais, 63 veículos e dois meios aéreos pesados.

Em Mondim de Basto estão empenhados no combate às chamas 334 operacionais, 97 veículos e dois meios aéreos, também pesados.

Para hoje, Miguel Cruz espera «mais um dia de grande trabalho, considerando a evolução em termos de números de ignições».

«Seria para nós desejável que este número viesse a diminuir, mas não tem sido esta a tendência dos últimos dias, infelizmente», lamentou.

Além disso, o comandante referiu as condições meteorológicas, que «continuam a ser extremamente adversas, nomeadamente com a ocorrência de vento durante a noite com alguma intensidade, e espera-se para o fim de semana um aumento das temperaturas, o que é sempre um fator que causa dificuldade ao combate».