Um dos dois bombeiros que ficaram feridos com gravidade, esta quarta-feira à tarde, num acidente de viação, permanece em "estado crítico", enquanto o outro está "livre de perigo, disse à Lusa o comandante dos bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana.
 

"Um já está livre de perigo, o outro permanece em estado crítico", afirmou Paulo Santos.
 

Os dois bombeiros ficaram feridos quando o autotanque dos bombeiros de Carcavelos e São Domingos de Rana, em Cascais, que seguia em marcha de emergência, se despistou numa valeta na berma e capotou da estrada entre Abóboda e Talaíde, no concelho de Cascais. 

De acordo com Paulo Santos, os dois ocupantes do autotanque que capotou na estrada entre Abóboda e Talaíde (e não entre Trajouce e Talaíde, como foi inicialmente divulgado) têm idades "na casa dos 30 anos" e, após serem assistidos e avaliados no local, foram transportados para o Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa.
 
Os dois voluntários sofreram ferimentos em gravidade, mas um está "em situação mais crítica" do que o outro, explicou o comandante.
 
O acidente ocorreu, cerca das 16:40, quando a viatura, que seguia em marcha de emergência, se despistou numa valeta na berma da estrada que liga as localidades de Abóboda e Talaíde.
 
Fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa refere que "um veículo tanque" da corporação de Carcavelos e São Domingos de Rana capotou quando seguia para um incêndio numa zona de mato em Talaíde, que deflagrou às 14:04, mas ainda distante do aterro sanitário de Trajouce.

A repórter da TVI no local, Ana Valente, conseguiu apurar que se trata “de um acidente que teve no seu motivo  uma ultrapassagem mal sucedida, visto que estes bombeiros seguiam em serviço de urgência” para um incêndio em mato na zona de Talaíde. 

O segundo comandante operacional distrital de Lisboa, André Fernandes, confirmou que o acidente provocou dois feridos, mas a gravidade ainda estava, perto das 17:30, "a ser avaliada pelos meios no local."
 
No socorro aos dois voluntários feridos foram mobilizados 26 operacionais e 10 veículos, envolvendo meios dos bombeiros, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da PSP.
 
O incêndio em mato na zona de Talaíde já se encontrava em fase de rescaldo e, segundo a mesma fonte do CDOS, envolveu 30 operacionais, apoiados por uma dezena de viaturas.