A GNR afastou, esta sexta-feira, a hipótese de mão criminosa na origem do fogo que atingiu um parque de estacionamento no Festival Andanças, levando à perda total de mais de 400 viaturas. 

De acordo com os dados que a GNR recebeu da PJ, "está descartada a intervenção de mão criminosa".

"Agora, o momento concreto que motivou o início do incêndio está ainda em processo, será apurado concretamente. Na prática, não há indícios de crime neste momento", afirmou o Tenente -Coronel da GNR, Carlos Belchior.

Segundo o oficial, as causas do fogo “continuam em processo de investigação" pela PJ e GNR.

As autoridades terminaram, na manhã desta sexta-feira, os trabalhos de identificação dos veículos e dos proprietários lesados.

“Todo o trabalho de identificação dos veículos e dos seus proprietários está concluído. Durante a tarde, vamos começar a contactar os proprietários para fazer a entrega formal das viaturas”, disse.

O tenente-coronel adiantou ainda que os peritos das seguradoras vão ter acesso aos veículos dos seus segurados, a partir da tarde desta sexta-feira. 

incêndio destruiu 422 veículos e danificou parcialmente outros nove.

A 21.ª edição do “Andanças” - Festival Internacional de Danças Populares decorre, desde segunda-feira e até domingo, numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho alentejano de Castelo de Vide, esperando um total de 40 mil visitantes.