Dois bombeiros de Leiria ficaram feridos com gravidade nesta quinta-feira, quando tentavam chegar ao incêndio que lavra em Oleiros, em Castelo Branco.

De acordo com a Proteção Civil, deste incidente resultaram ainda quatro feridos ligeiros e danos em duas viaturas.

Os bombeiros feridos são da corporação de Vieira de Leiria e apresentam queimaduras de 1.º e 2.º graus, não correndo risco de vida, disse o comandante local.

Este grupo de Leiria foi atingido pelas chamas quando estava em trânsito para Oleiros.

Fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco disse à Lusa que estes elementos dos Bombeiros Voluntários de Leiria “foram apanhados por uma frente de fogo” e “iam em dois veículos de abastecimento, com menos mobilidade, e não conseguiram fugir”.

De acordo com a mesma fonte, o incidente aconteceu às 18:40 na localidade de Foz do Giraldo, no concelho de Oleiros.

Sobe, assim, para dez o número de feridos graves desde 10 de agosto, que contabiliza um total de 160 feridos e 99 pessoas assistidas no local. Há, ainda, uma vítima mortal, o piloto do helicóptero que combatia os fogos em Castro Daire e que se despenhou.

Na sequência dos grandes incêndios que lavram nesta tarde, "foi necessário proteger as localidades de Orvalho, Estreito, Zibreira, Paiágua, Sarnadas de São Simão, Cardosa, Vinha, Silvosa e Foz Giraldo", em Castelo Branco, onde foram também acionados meios de reforço com a presença de equipas do INEM. Na Guarda, foram reforçados os meios junto de Aldeia do Bispo e Dominga Feia.

 

Oito casas destruídas em Oleiros, várias aldeias evacuadas

Oito casas de primeira habitação foram hoje destruídas pelo incêndio de Oleiros, disse o presidente da Câmara, Fernando Jorge.

Em declarações à agência Lusa, o autarca disse que sete casas foram destruídas no Orvalho e uma em A-de-Moço.

O autarca disse também que foram evacuadas várias aldeias, nomeadamente Silvosa, Vinha, Cardosa e Sarnadas de São Simão.

 

Incêndios de Oleiros e Guarda são os mais preocupantes

Três incêndios florestais nos concelhos de Oleiros (Castelo Branco) e da Guarda, continuam esta sexta-feira ativos e levaram ao reforço de meios durante a noite, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Segundo o portal da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), o incêndio em Selada das Pedras, em Oleiros, no distrito de Castelo Branco, que deflagrou na quarta-feira, pelas 13:00, concentrava pelas 04:07 um total de 551 elementos, apoiados por 180 viaturas, no combate a duas frentes ativas.

Este incêndio levou à deslocação de 16 pessoas até ao início da madrugada de hoje.

Outro fogo na localidade de Poeiros, no concelho de Oleiros, também no distrito de Castelo Branco, que deflagrou ao início da madrugada de quinta-feira e tinha esta madrugada uma frente ativa, estava a ser combatido por 396 homens apoiados por 119 veículos.

O incêndio na localidade de Fernão Joanes, no concelho da Guarda, distrito da Guarda, registava no combate às chamas 460 elementos apoiados por 145 viaturas.

A23 ainda cortada nos dois sentidos

Na sequência destes incêndios, mantinham-se pelas 07:00 os cortes à circulação automóvel na autoestrada da Beira Interior (A23), no concelho da Guarda, e em três estradas nacionais (EN) dos concelhos de Oleiros (Castelo Branco) – EN112 e EN238 - e da Guarda – EN18, disse a GNR à Lusa.

Em declarações à agência Lusa, fonte da GNR disse que as alternativas apresentadas à A23 são as estradas EN18-3, em direção ao Sabugal, e EN233 em direção à Guarda.

Ainda na localidade de Benespera, no concelho da Guarda, está interdita ao trânsito a estrada EN18, entre os quilómetros 01 e 13, e as alternativas à circulação automóvel são as mesmas que as apresentadas para o corte na A23.

Já os fogos que lavram no concelho de Oleiros, no distrito de Castelo Branco, estão a provocar o corte das estradas EN112, junto à localidade de Orvalho, entre os quilómetros 48 e 70, e EN238, na localidade de Póvoa da Ribeira, entre os quilómetros 89 e 96.