logotipo tvi24

Incêndio destrói parcialmente fábrica de móveis

Empresa emprega cerca de 200 trabalhadores

Por: tvi24 / MM    |   2014-02-26 11:11

Um incêndio ocorrido esta quarta-feira de manhã numa fábrica de móveis em Vilela, Paredes, destruiu parcialmente aquela unidade, provocando prejuízos na área de produção, disse à Lusa o comandante dos bombeiros de Lordelo.

«Os prejuízos são bastantes, porque o que ficou danificado não resulta só do incêndio, mas também da intervenção com água que teve de ser feita. Retirámos o que pudemos, mas há sempre danos», explicou Pedro Alves.

O comandante disse à Lusa desconhecer as causas do incêndio, que foi detetado cerca das 07:55. Para o local foram deslocadas quatro viaturas, com 16 elementos daquela corporação.

O fogo provocou temperaturas muito elevadas, danificando a estrutura do edifício e a cobertura. «O fogo foi rapidamente extinto», declarou, acrescentando que os bombeiros «retiraram o que puderam de matéria-prima, para evitar prejuízos mais avultados».

«Aquela parte da fábrica ficou inoperacional, mas o restante pode continuar a trabalhar», observou ainda.

Os funcionários da empresa estão a fazer a limpeza das instalações afetadas pelo incêndio. A empresa emprega cerca de duas dezenas de trabalhadores.

Partilhar

PSP remove morteiro encontrado no Tejo
Autoridades montaram perímetro de segurança
MP arquiva investigação a dois administradores no caso BES Vida
Investigação não encontrou «indícios suficientes da sua participação nos factos»
Submarinos: ex-responsáveis por contrapartidas sem meios para atuar
Ex-presidentes da Comissão Permanente de Avaliação das Contrapartidas queixaram-se da falta de meios orçamentais e humanos para a missão de fiscalização dos contratos com fornecedores de material militar
EM MANCHETE
BES desconvoca Assembleia Geral de Acionistas
Ações caem mais de 12% após anúncio. Legitimação da equipa de Vítor Bento não está em causa. Banco deve acumular prejuízos de 3 mil milhões de euros
Portugal suspende representação diplomática na Líbia
Diretores de serviço do Garcia de Orta denunciam situações graves