Incêndio destrói parcialmente fábrica de móveis

Empresa emprega cerca de 200 trabalhadores

Por: tvi24 / MM    |   26 de Fevereiro de 2014 às 11:11
Um incêndio ocorrido esta quarta-feira de manhã numa fábrica de móveis em Vilela, Paredes, destruiu parcialmente aquela unidade, provocando prejuízos na área de produção, disse à Lusa o comandante dos bombeiros de Lordelo.

«Os prejuízos são bastantes, porque o que ficou danificado não resulta só do incêndio, mas também da intervenção com água que teve de ser feita. Retirámos o que pudemos, mas há sempre danos», explicou Pedro Alves.

O comandante disse à Lusa desconhecer as causas do incêndio, que foi detetado cerca das 07:55. Para o local foram deslocadas quatro viaturas, com 16 elementos daquela corporação.

O fogo provocou temperaturas muito elevadas, danificando a estrutura do edifício e a cobertura. «O fogo foi rapidamente extinto», declarou, acrescentando que os bombeiros «retiraram o que puderam de matéria-prima, para evitar prejuízos mais avultados».

«Aquela parte da fábrica ficou inoperacional, mas o restante pode continuar a trabalhar», observou ainda.

Os funcionários da empresa estão a fazer a limpeza das instalações afetadas pelo incêndio. A empresa emprega cerca de duas dezenas de trabalhadores.
PUB
Partilhar
COMENTÁRIOS

PUB
Sócrates: «perigo de fuga é anedota de mau gosto»

Declarações feitas por João Araújo, advogado do ex-primeiro-ministro, em entrevista no Jornal das 8 da TVI. João Araújo considera que a prisão preventiva de José Sócrates deve ser, de imediato, revogada porque «não se verificam casos de excecionalidade que justificam a preventiva». Para o advogado, «o perigo de fuga é uma anedota de mau gosto». João Araújo revelou, ainda, que as suspeitas e indícios de corrupção que pairam sobre José Sócrates referem-se a um período anterior à altura que foi primeiro-ministro.