A Guarda Nacional Republicana registou nos primeiros seis meses do ano cerca de nove mil incêndios, quase o dobro dos registados no mesmo período do ano passado, e deteve 36 pessoas.

A GNR revela, em comunicado, que desde o início do ano e até terça-feira, 23 de junho, "detetou 8.955 ocorrências de incêndio", mais 4.574 do que em período homólogo de 2014.

No mesmo período, e no âmbito de ações de patrulhamento e vigilância das zonas florestais e de primeira intervenção nos incêndios florestais, foram detidas 36 pessoas, mais 22, e identificados 532, mais 292.

Foram ainda passados 535 autos de contraordenação por infrações ao Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios (SNDFCI), seundo a Lusa.

A GNR recorda, no mesmo comunicado enviado às redações, que durante o período crítico de incêndios, que vigora de 01 de julho a 30 de setembro, é proibido fazer queimadas ou fumigações de colmeias, lançar foguetes ou fazer fogueiras.

É ainda proibido fumar, lançar pontas de cigarros para o chão ou fazer qualquer tipo de lume em espaços florestais.

Nos trabalhos e outras atividades que decorram nos espaços rurais, é proibida a circulação de tratores, máquinas e veículos de transporte pesados que não possuam extintores, sistema de retenção de faúlhas ou faíscas e tapa chamas nos tubos de escape ou chaminés.