O jovem suspeito de ter ateado um incêndio florestal «de grandes dimensões» na serra do Caramulo e no qual morreram dois bombeiros, e um terceiro viria a falecer, ficou este sábado em prisão preventiva, informou a Polícia Judiciária.

A medida de coação foi-lhe aplicada depois de ter sido ouvido durante várias horas em primeiro interrogatório que decorreu no Tribunal de Viseu.

O homem de 20 anos foi detido sexta-feira pela Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro e da Diretoria do Centro, com a colaboração do Núcleo de Proteção Ambiental da GNR de Viseu de Santa Comba Dão.

Fonte da PJ explicou que o jovem agiu «em colaboração com um outro indivíduo, este emigrante e atualmente no estrangeiro», ateando «vários focos de incêndio na Serra do Caramulo, nos concelhos de Vouzela e Tondela, no dia 20 de agosto, que se transformaram num fogo de grandes dimensões e em cujo combate perderam a vida dois bombeiros».

A mesma fonte referiu ainda que o suspeito terá agido por vingança, depois de lhe ter sido aplicada uma multa pela GNR.

A PJ já deteve este ano 52 pessoas pela eventual prática do crime de incêndio florestal, estando 30 em prisão preventiva.