O Orçamento da Câmara do Porto para 2014 reserva 5,8 milhões para a reabilitação de edifícios no âmbito do projeto de demolição do bairro do Aleixo, escreve-se na proposta que vai ser votada na terça-feira pelo executivo.

A verba está incluída na rubrica «Reabilitação e Requalificação Urbana», que tem uma dotação total de 17,5 milhões de euros, e deverá servir para avançar com os «quatro empreendimentos» que o anterior executivo iniciou nas zonas de Mouzinho da Silveira, Fernão de Magalhães, Musas e Leal, para acolher os moradores desalojados durante a demolição do bairro do Aleixo.

«Este objetivo prevê ainda a inscrição de 4,1 milhões de euros para permutas de terrenos e de 5,8 milhões de euros em habitações, para reabilitação de edifícios por força do contrato de constituição do Fundo Especial de Investimento Imobiliário [FEII] fechado de subscrição particular outorgado com a Gesfimo», escreve-se na proposta de orçamento camarário a que a Lusa teve hoje acesso.

Neste domínio, está também incluída a ¿consolidação no terreno da escarpa das Fontainhas, o pagamento de expropriações e a cobertura de 40% dos prejuízos¿ da Porto Vivo - Sociedade de Reabilitação Urbana.

Em dezembro de 2012, a Câmara do Porto, então liderada por Rui Rio, revelou que Mouzinho da Silveira, Fernão de Magalhães, Musas e Leal foram os locais escolhidos para instalar quatro «empreendimentos» na Baixa do Porto para acolher os residentes do «Aleixo», noticia a Lusa.