Os utentes do Lar de Santa Ana, em Loures, foram hoje reencaminhados para outras instituições, devido ao encerramento daquela unidade, por determinação da Segurança Social, confirmou à agência Lusa a vereadora com o pelouro da Ação Social na câmara.

Com residência no Prior Velho, em Loures, o Lar de Santa Ana é uma instituição particular de solidariedade social (IPSS), o que faz com que «a câmara não tem qualquer responsabilidade» no encerramento deste equipamento. No entanto, «não é indiferente à situação», assegurou a vereadora Maria Eugénio Coelho.

«Todos os idosos têm já respostas e estamos já a tratar do encaminhamento dos mesmos para outros locais», explicou a vereadora da Ação Social de Loures, reforçando que «uma equipa da Segurança Social está já no terreno».

A instituição, com capacidade para receber 16 utentes, estava, até ao momento, a auxiliar «dez idosos, dois deles acamados», descreveu a encarregada do lar, Fátima Pinheiro.

A «falta de um corpo administrativo que garanta as normais condições de funcionamento» foi apontada pela encarregada do lar como a razão para ao encerramento da instituição, a que se somam os problemas financeiros, com «salários em atraso aos funcionários».

Os familiares dos utentes estão «revoltados» com a situação e foi-lhes explicado que «a ordem para fechar se deveu à falta de pessoal», afirmou a encarregada.

«Falei com as minhas colegas todas» para continuar a prestar serviço aos utentes, acrescentou Fátima Pinheiro.

Entre os dez idosos que tiveram que ser reencaminhados para outros lares estava uma idosa preocupada: «Não tenho mais ninguém. Elas são a minha companhia. Ajudo no que posso», contou Maria Guilhermina.

No lar há 12 anos, Maria de Lurdes, com 90 anos, lamentou o fecho. «Nunca se passou uma situação como esta. Estamos chocados», referiu.

A situação no lar já se vinha a deteriorar há algum tempo. Segundo Fátima Pinheiro, há duas semanas cortaram a água e a luz do lar, embora a situação se tenha regularizado após algumas horas, com o pagamento de faturas em atraso.

Na sexta-feira passada, o médico que prestava serviço abandonou o lar por também ele ver o seu salário em atraso.

Contactado pela agência lusa, o corpo diretivo do Lar de Santa Ana não quis prestar declarações sobre o encerramento da instituição e sobre o que irá acontecer aos funcionários.