O Tribunal de Aveiro absolveu esta segunda-feira dois militares da GNR que estavam acusados de terem agredido um homem, de 76 anos, quando o tentavam deter para cumprimento de pena de prisão.

O septuagenário, que também estava acusado de agredir um dos militares, respondendo ainda por dois crimes de injúria agravada, foi igualmente absolvido.

«Não se pode chegar a uma conclusão clara sobre o que aconteceu», disse a juíza, durante a leitura da sentença, adiantando que houve «depoimentos contraditórios de um e de outro lado».

«Como não tenho nenhuma bola de cristal não posso saber quem estava a dizer a verdade e quem estava a mentir. Por isso, vão todos absolvidos», referiu a magistrada.

O caso ocorreu em janeiro de 2012, quando os militares do pelotão de intervenção rápida da GNR se dirigiram à residência do septuagenário, na freguesia de Eixo, Aveiro, em cumprimento de um mandado de detenção por falta de pagamento de uma multa de 500 euros.

Os militares encontraram o homem escondido debaixo da cama no quarto que partilhava com o filho, algemaram-no e levaram-no para o posto da GNR de Aveiro.

O ofendido queixa-se de ter sido agredido pelos militares, com murros na cabeça e um pontapé na face, enquanto um dos militares queixa-se que o indivíduo desferiu-lhe uma cabeçada no nariz.

Os dois arguidos tiveram de receber tratamento hospitalar.

O tribunal julgou ainda improcedente o pedido de indemnização cível de cerca de mil euros para pagar despesas hospitalares e vencimentos e suplementos pagos ao agente durante o período em que esteve ausente do serviço por estar em convalescença.