Duas mulheres foram acusadas pelo Ministério Público (MP) por terem burlado, em vários milhares de euros, uma mulher de 74 anos, depois de a convencerem que padecia de «graves males espirituais».

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), entre Maio de 2012 e Junho de 2013, as arguidas, aproveitando-se da idade avançada e da vulnerabilidade da ofendida, convenceram-na de que padecia de «graves males espirituais» e estava em perigo de contrair «males físicos graves», os quais só seriam afastados por poderes sobrenaturais dominados por elas.

Através de estratagemas e insistências repetidas e prolongadas no tempo, as arguidas apoderaram-se das jóias no valor de 100 mil euros, pratas de valor não calculado e um total de 150.005 euros em dinheiro.

As arguidas encontram-se em regime de prisão preventiva desde 5 de junho de 2013, medida de coação confirmada pelo Tribunal da Relação de Lisboa.

A PGDL divulgou também e que uma funcionária do Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e o marido foram condenadas a penas de prisão de 3 anos e 6 meses de prisão, suspensas na execução, por dano causado a uma mulher doente de 92 anos.

«A arguida era, à data dos factos, funcionária de um Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e, mancomunada com seu marido, logrou que este se constituísse co-titular da conta bancária da utente, ambos sacando depois, sem o consentimento desta e no proveito deles, o valor depositado nessa conta, fruto das poupanças da idosa», refere nota da PGDL.

Na decisão do tribunal, de 19 de dezembro de 2013, foi aplicada ainda uma indemnização no valor do dano causado pelos arguidos, por requerimento do Ministério Público.

Os factos ocorreram entre dezembro de 2011 e abril de 2012.