Os corpos dos dois participantes do Boom Festival que morreram no sábado já foram autopsiados no Gabinete Médico Legal de Castelo Branco e um deles já foi entregue à família.

Fonte do Gabinete Médico Legal de Castelo Branco confirmou à agência Lusa, esta quarta-feira, que os corpos das duas pessoas que participavam no Boom Festival, em Idanha-a-Nova, e que morreram durante o transporte para o Hospital de Castelo Branco, já foram autopsiados.

Um deles [homem de nacionalidade holandesa] já foi entregue a familiares, o outro não. A família está a tratar da situação", informou.

Ao contrário do que foi inicialmente avançado pelas autoridades, um dos participantes que morreram não era de nacionalidade chinesa.

O que tenho cá é uma documentação inglesa que diz que nasceu no Reino Unido. Por isso é mesmo inglês, de origem chinesa", referiu a mesma fonte do Gabinete Médico Legal.

Quanto às causas que estiveram na origem da morte dos dois festivaleiros, a mesma fonte não avançou com qualquer informação, uma vez que o caso se encontra em segredo de justiça e vai seguir agora os trâmites normais nestes casos.

Nem a GNR nem a organização do festival (que envolve desde concertos a atividades como meditação) – avançaram com as causas das duas mortes, confirmando apenas que entraram em paragem cardiorrespiratória.

Também no sábado, outro jovem entregou-se às autoridades com sintomas de ter droga no organismo. Sob tutela da GNR, o jovem de 23 anos acabou por expelir 45 bolotas de haxixe e fica em prisão preventiva.