O Hospital Amadora-Sintra garantiu seis médicos para a urgência até ao dia 5, a maioria profissionais que não estavam escalados e que assegurarão a noite da passagem do ano neste hospital que teve esperas de 20 horas no Natal.

Fonte oficial do Hospital Fernando Fonseca, conhecido como Amadora-Sintra, revelou que os esforços com vista à contratação de médicos resultaram em onze clínicos garantidos, dos quais três através de empresas de prestação de serviços e os restantes pertencentes ao corpo clínico da unidade hospitalar.

Estes onze clínicos irão assegurar uma urgência com seis médicos, número ideal para o «banco» deste hospital, diz a mesma fonte, adiantando que o objetivo da instituição é conseguir oito, tendo em conta o aumento da procura que é previsível acontecer a propósito das festas do final do ano e das condições climatéricas atuais.

A mesma fonte disse que as negociações com as empresas prestadoras de serviços de saúde não foram bem sucedidas, mantendo-se dificuldades na angariação de profissionais por este meio.

Depois das dificuldades de acesso na noite de 25 para 26 deste mês, provocadas pela falta de médicos e por um significativo aumento do número de doentes, o serviço de urgência geral retomou o seu funcionamento normal.

O hospital foi entretanto autorizado a contratar sete profissionais em contrato individual de trabalho e dez médicos em regime de prestação de serviços.

Já esta terça-feira o Governo admitiu pagar mais aos médicos que fizerem «urgências» neste hospital na noite de passagem de ano, jusitificando que esta é uma medida prevista em «situações excecionais».

Os profissionais do hospital reiteram o pedido à população servida por esta unidade hospitalar para só se dirigir ao serviço de urgência em caso efetivamente urgente.