O Hospital de Santarém anunciou esta sexta-feira que o ministro da Saúde, numa visita de trabalho realizada na passada quarta-feira a esta unidade, autorizou a contratação de mais 60 enfermeiros.

Em comunicado, o conselho de administração refere que esta é uma necessidade «determinante para a qualidade assistencial dos serviços» que presta.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses tem referido a falta de 170 enfermeiros no Hospital de Santarém e em novembro denunciou a elevada carência destes profissionais de saúde nos serviços de urgência, «determinando uma sobrecarga de trabalho em todos os turnos».

O conselho de administração afirma ainda que o ministro Paulo Macedo visitou o Bloco Operatório, serviço que aguarda a realização de uma «intervenção muito profunda», que obrigará ao seu encerramento total durante 120 dias, segundo informação prestada em setembro à Lusa pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS-LVT).

O comunicado refere que «a intervenção nas salas de cirurgia, projeto considerado urgente, está a ser avaliada, implicando uma primeira fase que obriga ao equipamento de uma área de substituição das salas que carecem de obras».

O conselho de administração afirma que foi analisada, durante a visita do ministro, «a estratégia faseada de implementação, por forma a garantir a prestação de cuidados com tempos de espera clinicamente adequados».

No verão, organismos de poder autárquico denunciaram problemas no Bloco Operatório do Hospital de Santarém devido ao deficiente funcionamento do sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado, que data da construção do hospital, em 1985.

Isto obrigou ao adiamento ou à transferência de cirurgias, situação sentida desde o inverno de 2013 e que se agravou em agosto.

Segundo a ARS-LVT, a intervenção prevista, da ordem dos dois milhões de euros, visa a remodelação, requalificação e modernização dos blocos operatórios, “numa dimensão estrutural que os garanta ao melhor nível, para os próximos 25 anos”.

«A dificuldade e a complexidade da intervenção, a exigir o máximo de ponderação e rigor, resultam da natureza das instalações, da sua localização no interior do hospital e do risco de perturbação de outros serviços, na medida em que se trata da demolição e reconstrução de infraestruturas, e ainda da garantia de execução no tempo previamente estabelecido e sem qualquer desvio orçamental», como cita a Lusa.

Paulo Macedo visitou também a Urgência Geral do Hospital de Santarém, alvo de uma intervenção recente, tendo, segundo o conselho de administração, destacado «a qualidade e a diferenciação» deste serviço.