O Centro Hospitalar Barreiro/Montijo está a colocar os doentes do serviço de urgência nos corredores dos serviços de internamento, denunciou esta terça-feira o Sindicato dos Enfermeiros de Setúbal, que fala num «ambiente desumano e caótico». Já a administração alega que está a procurar rentabilizar os recursos existentes.

«Perante o ambiente desumano e caótico que tem vivido o Serviço de Urgência, em particular do Hospital do Barreiro, o Conselho de Administração decidiu dissimular a situação e passou os doentes dos corredores do Serviço de Urgência para os corredores dos serviços de internamento», lê-se num comunicado do sindicato, que é citado pela Lusa. A decisão da administração  mereceu «o repúdio dos profissionais», que argumentam ainda que não está garantida « a privacidade, dignidade e segurança dos utentes».

Mesmo com a reprovação do sindicato, «a administração procedeu à abertura de camas extra-lotação em detrimento do reforço das equipas e do aumento da capacidade de internamento. Os enfermeiros estão a proceder à denúncia destas situações nos vários serviços onde têm ocorrido, no estrito cumprimento do seu código deontológico e na defesa dos doentes».

Já o conselho de administração, contactado pela agência Lusa, respondeu que o sindicato está a «gerar alarmismos despropositados e desnecessários» e explicou que procura definir e implementar as medidas adequadas à máxima rentabilização dos recursos existentes em todo o Centro Hospitalar.

«Confirmamos a implementação de um plano de reorganização do Serviço de Urgência e gestão de camas do Centro Hospitalar exatamente pela preocupação com a melhoria da resposta de forma integrada e articulada, para o doente em situação urgente ou emergente ou para o doente que necessita de internamento ou outras respostas de âmbito hospitalar», explica a administração, também em comunicado.

Os responsáveis indicam, ainda, que realizaram um alargado processo de consulta, com envolvimento dos vários profissionais, cujos contributos estiveram na base do seu plano. «Este plano passa várias medidas organizativas internas com o objetivo de garantir a melhoria do atendimento dos doentes nomeadamente no que diz respeito à sua privacidade, considerando-se a indicação para em situações extraordinárias e para evitar a prologada estadias de doentes em macas nos corredores da urgência, a possibilidade de internamento em camas extras nos serviços».