A direção clínica e diretores de serviço do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) decidiram demitir-se em protesto contra as dificuldades na contratação de profissionais, segundo fontes hospitalares, posição que a administração diz desconhecer.

As mesmas fontes indicaram à agência noticiosa Lusa que a demissão foi decidida quarta-feira e está a ser preparada para ser oficialmente comunicada à administração do hospital na sexta-feira.

O porta-voz do hospital disse à Lusa não ter conhecimento oficial desta tomada de posição e garantiu que os serviços estão a funcionar normalmente.

Também o administrador do hospital, Francisco Velez Roxo, disse que não tem qualquer conhecimento formal desta situação, adiantando apenas que o que está em curso é “o normal debate em torno da contratação de pessoal”.

Redução de 35% de verbas

As fontes hospitalares citadas pela agência Lusa referiram que existe um desconforto crescente em torno das dificuldades para contratação de pessoal, o qual pode ser agravado com a imposição de reduzir em 35%, os gastos com médicos tarefeiros.

O administrador do hospital reconheceu que esta unidade de saúde recorre muitas vezes à contratação de médicos externos.

O ministro da Saúde disse assumiu já que a redução dos 35% terá de ter exceções, garantindo que os hospitais não entrarão em rutura de resposta.

O hospital depara-se ainda com uma ameaça de ter os blocos de parto paralisados a partir de julho, uma vez que os enfermeiros especialistas em obstetrícia ameaçam parar se não forem remunerados de acordo com esta especialização.