O ministro da Saúde reiterou o compromisso de alterar o valor de pagamento das horas extraordinárias dos médicos, mas sublinhou que nunca se comprometeu a pagá-las a 100%.

Numa interpelação sobre políticas de Saúde no plenário parlamentar, Adalberto Campos Fernandes considerou da "mais elementar justiça" rever a situação do pagamento das horas extra dos médicos que são atualmente pagas a 50 por cento.

Já na quarta-feira, na comissão parlamentar de Saúde, o ministro tinha assumido o compromisso de alterar o valor de pagamento das horas extra.

Esta quinta-feira, questionado pelos deputados, manteve o mesmo compromisso, mas frisou que não se havia comprometido com o pagamento a 100 por cento e continuou sem indicar qualquer valor.