O Ministério Público acusou três arguidos, um dos quais era presidente de uma associação de solidariedade em Santo Tirso, pela prática dos crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver e roubo, anunciou esta quarta-feira a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

O motivo do crime, ocorrido em outubro de 2014, estará relacionado com “rivalidade” e “concorrência” que a vítima, também presidente de uma outra associação com os mesmos objetivos e igualmente com sede em Santo Tirso, representava.

De acordo com a acusação, citada pela PGD, “um dos arguidos, então presidente de uma associação com sede em Santo Tirso que acolhe pessoas sem-abrigo, ajuda pessoas com problemas aditivos, seropositivos e outras pessoas desfavorecidas ou vulneráveis, decidiu tirar a vida ao presidente de uma outra associação, com o mesmo objetivo e também com sede em Santo Tirso”. Agiu deste modo, acrescenta a PGD na sua página na Internet, “para assim acabar com a rivalidade e concorrência que este protagonizava”.

Na síntese da acusação, a Procuradoria refere que o arguido atuou com a colaboração de dois utentes da associação a que a vítima presidia, também eles “com ressentimentos anteriores” relativamente a esta.

“Estes dois, no seguimento do plano estabelecido, fizeram-lhe uma espera no dia 06 de outubro de 2014, na Travessa Luís Areal, em Santo Tirso, desferindo-lhe pancadas na cabeça com um taco de basebol e esfaqueando-o no estômago”, transportando-o depois num automóvel “para o Alto da Nossa Senhora da Assunção, Monte Córdova, Lugar da Capela Velha, Santo Tirso”, lê-se na acusação.


O Ministério Público acrescenta que no local encontrava-se o outro arguido que “chegando-se à vítima, colocada no banco traseiro do veículo, efetuou um disparo de pistola que a atingiu no coração, tirando-lhe a vida. Seguidamente, todos os arguidos atearam fogo ao veículo, que por completo o consumiu e carbonizou o corpo da vítima”.