O homem acusado de ter matado a mulher numa clínica dentária da rua Augusta, em Lisboa, começa a ser julgado a 13 de janeiro, no Campus da Justiça, disse esta terça-feira fonte judicial à agência Lusa.

O despacho de acusação do Ministério Público (MP) sustenta que o arguido, munido de uma faca de cozinha, se dirigiu à clínica dentária onde a sua mulher trabalhava, a 28 de maio, e «esfaqueou-a com golpes violentos no pescoço, tórax e braços», causando-lhe a morte.

O despacho de acusação sublinha que Marco Camargo, 40 anos, matou Luana Camargo, 28 anos, por não se conformar com a intenção da mulher se divorciar dele.

«De acordo com os indícios, em datas anteriores, e durante a vida de casados, o arguido cometera atos de agressão física, de ameaça e de controlo da vida da vítima», acrescenta o MP.


A vítima era dentista e proprietária da clínica, situada na Baixa de Lisboa, onde os factos ocorreram.

O homem, que está em prisão preventiva, responde pelos crimes de homicídio qualificado e violência doméstica.

Sendo cidadão de nacionalidade brasileira, o MP requereu ainda a aplicação de pena acessória de expulsão do território nacional.

A fonte judicial acrescentou que está previsto que a primeira sessão do julgamento decorra durante o dia todo, com início às 09:30.