O tribunal deu como provado que Duarte Lima enganou o BPN e usou os serviços de Francisco Canas para depositar três milhões na Suíça. A sentença do caso Homeland, no qual Duarte Lima é o principal acusado, está neste momento a ser lida.

Este é o julgamento do processo Homeland, relacionado com crédito obtido junto do BPN para aquisição de terrenos em Oeiras.

O valor real dos terrenos era cinco milhões de euros e os arguidos declararam 22 milhões.

O acórdão declara ainda que Duarte Lima transferiu para a Suíça três milhões de euros de origem ilícita.
O antigo deputado é acusado de burla, branqueamento de capitais e abuso de confiança.

Nas alegações finais, o Ministério Público pediu uma pena superior a cinco anos de prisão para Duarte Lima e para o seu sócio Vítor Raposo.