A TAP vai fazer no sábado um voo especial para a Guiné-Bissau, disse à Lusa fonte oficial da transportadora que na quarta-feira suspendeu a operação para aquele país, depois do transporte de 74 pessoas com passaportes falsos para Lisboa.

«A TAP vai fazer um voo extraordinário para Dakar no sábado e, em Dakar, tem um avião fretado à Air Senegal para assegurar a ligação a Bissau», explicou a fonte oficial da transportadora, acrescentando que o aparelho tem 150 lugares.

A companhia aérea, que assegurava três voos semanais (segunda-feira, quinta-feira e sábado) para a Guiné-Bissau, espera que «este voo especial resolva o transporte dos passageiros que tinham voo para hoje e para sábado», segundo a mesma fonte.

O voo especial da TAP vai sair de Lisboa às 20:50 de sábado e tem regresso previsto à capital portuguesa na madrugada de domingo.

Na quarta-feira, a TAP anunciou a suspensão da operação para Bissau «perante a grave quebra de segurança ocorrida» no embarque de um voo para Lisboa na terça-feira, que implicou o transporte de 74 passageiros com passaportes falsos.

A companhia aérea acrescentou, na altura, que a rota Lisboa/Bissau/Lisboa estaria suspensa até uma completa avaliação das condições de segurança no aeroporto¿ da capital da Guiné-Bissau.

Um grupo de 74 passageiros (21 crianças, 15 mulheres e 38 homens), supostamente sírios, proveniente de um voo da Guiné-Bissau foi, na terça-feira, retido no aeroporto de Lisboa, por uso de passaportes falsificados da Turquia.

Os 74 imigrantes ilegais pediram asilo a Portugal e foi-lhes concedido um visto especial de entrada no país por razões humanitárias, aguardando a conclusão do processo em centros de acolhimento fornecidos pela Segurança Social.

O governo de transição da Guiné-Bissau anunciou entretanto que vai abrir um processo de averiguações, tendo sido pedidos relatórios aos ministros do Interior e dos Negócios Estrangeiros.

O Procurador-Geral da República da Guiné-Bissau, Abdu Mané, classificou hoje como um «acontecimento vergonhoso» para o país o incidente com as autoridades portuguesas sobre a viagem num voo da TAP de 74 passageiros com passaportes falsos.