A administração do Hospital de Santarém confirmou à Lusa que foram identificados casos de gripe A em alguns doentes e profissionais, mas referiu que a situação está controlada e que os cuidados aos doentes estão assegurados.

“Foram efetivamente registadas situações de H1N1 em doentes e profissionais e estamos a acompanhar a situação”, disse à Lusa, esta quarta-feira, o presidente do Conselho de Administração do Hospital de Santarém, José Josué, sem contudo adiantar quantos casos foram identificados até ao momento.

Na terça-feira, Augusto Figueiredo, do Movimento de Utentes dos Serviços Públicos de Santarém, disse à Lusa, no final de uma audiência na Comissão Parlamentar de Saúde, que a equipa do Serviço de Cardiologia se encontra “desfalcada”, com vários enfermeiros de baixa, devido a um surto de gripe A surgido no Hospital de Santarém.

José Josué assegurou que o surto “não afetou as equipas” e que os casos detetados não são em número significativo.

A estirpe do vírus da gripe A-H1N1 surgiu em 2009, numa combinação de vírus que não tinha sido observada antes, tendo-se tornado sazonal, em co circulação com outros vírus ‘Influenza’, e tratada com uma nova classe de antivirais.

Também na Guarda foram registados casos de gripe A: a Unidade Local de Saúde anunciou na terça-feira que o serviço de urgências diagnosticou este mês 16 situações.

Hoje, a subdiretora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou que o vírus da gripe A diagnosticado na Guarda não é pandémico e é menos perigoso do que o verificado há seis anos.