A Guarda Nacional Republicana de Lisboa apreendeu, durante o fim de semana, na localidade de Almornos/Almargem do Bispo, concelho de Sintra, 191 plantas de canabis, produto similar seco e quatro armas brancas, informou hoje a GNR.

Além das plantas de cannabis, com dimensões «entre os 7 centímetros e os 1,40 metros», a GNR apreendeu cannabis seca «e pronta a entrar no mercado, acondicionada em nove caixas de cartão de vários tamanhos», lê-se num comunicado daquela força de segurança.

Foram também apreendidas quatro armas brancas, 21 munições de calibre 22, 20 cartuchos de calibre 20 e material diverso ligado ao cultivo das plantas, como estrutura de estufa, luzes artificiais e objetos de extração e regulação da humidade, refere a mesma fonte.

Os produtos foram apreendidos por militares do posto de Pêro Pinheiro e encontravam-se no sótão de uma residência em Almornos/Almargem do Bispo, onde a GNR fora chamada devido a alegadas ofensas à integridade física que estavam a ser cometidas por um homem com perturbações mentais, que se encontrava «descompensado e violento».

O homem foi conduzido ao Hospital de Santa Maria para avaliação clínico-psiquiátrica, tendo ficado internado, indica o documento.

Em Assafora, também no concelho de Sintra, a GNR deteve um casal com idades compreendidas entre os 60 e os 65 anos, depois de ter sido chamada a intervir por ameaças à integridade física.

O homem foi detido por ter tentado «agredir e injuriar» os militares quando estes tentavam identificá-lo, enquanto a mulher foi detida na sequência de uma busca domiciliária durante a qual as autoridades encontraram uma arma e dezenas de munições de diferentes calibres, lê-se no mesmo documento.

No sábado, o homem foi presente a autoridades judiciais, que como medida de coação lhe decretaram apresentações periódicas e Termo de Identidade e Residência (TIR).

A mulher será presente ao Tribunal de Sintra na segunda-feira, acrescenta o comunicado da GNR de Lisboa.