A atividade gripal mantém-se em níveis epidémicos, com baixa intensidade, e, por este motivo, a proporção de consultas médicas nos cuidados primários tem descido, de acordo com o último Boletim de Vigilância Epidémica da Gripe.

Contudo, de acordo com os dados reportados pelo Instituto Ricardo Jorge, a taxa de incidência na semana entre 12 e 18 de fevereiro foi de 34,5/100.000 habitantes, uma ligeira subida relativamente à semana anterior, que apresentava uma taxa de 27,9/100.000 habitantes.

De acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS), nas últimas cinco semanas “verificou-se uma estabilidade da procura dos serviços de urgência, do número de doentes internados (por todas as causas), bem como da proporção de atendimentos”.

Na semana de 12 a 18 de fevereiro, foram internados 11 doentes nas Unidades de Cuidados Intensivos com gripe, menos seis do que na semana anterior, e a proporção de atendimentos da linha SNS 24 por síndrome gripal também baixou.

Quanto à procura do Instituto Nacional de Emergência Médica, mantém-se uma estabilidade do número de acionamentos registados.

De acordo com o Sistema de Vigilância Diária da Mortalidade, “a mortalidade por todas as causas registou valores acima do esperado para a semana em análise, o que se observa num contexto de temperaturas baixas, em especial nas regiões Norte e Centro”, refere a DGS.