O Sindicato dos Enfermeiros (SE) vai processar judicialmente todos os hospitais que marquem falta injustificada aos enfermeiros que hoje estão em greve, começando pelo Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse fonte sindical.

Emanuel Boieiro, do SE, disse à agência Lusa que “todos os hospitais que marquem falta injustificada aos enfermeiros que não compareçam ao serviço por estarem a cumprir os cinco dias de greve hoje iniciados vão ter os serviços jurídicos do sindicato à perna”.

Junto a centenas de enfermeiros que hoje protestam frente ao Hospital de Santa Maria, Emanuel Boieiro disse que este será o primeiro hospital a ser visado pelos serviços jurídicos do SE, uma vez que, segundo disse, "está a marcar faltas injustificadas aos profissionais em greve”.

Esta é a resposta dos sindicatos ao ministro da Saúde. Adalberto Campos Fernandes, considerou que o protesto agendado pelos enfermeiros é “ilegítimo, ilegal e imoral”. Mas garantiu, numa entrevista à SIC, que o Governo não se encontra em guerra com o sector, que considera vital e uma “profissão relevantíssima”.

Na mesma entrevista, Adalberto Campos Fernandes acusou os enfermeiros de estarem a violar “todos os princípios” com o intuito de “criar agitação”. E referiu que os profissionais sofrerão as consequências, nomeadamente “as previstas na lei”, confirmando que quem fizer greve terá falta, já que existe um controlo de assiduidade.