As equipas de Obstetrícia e da Unidade de Neurocríticos do Centro Hospitalar de Lisboa Central realizaram, esta terça-feira, uma cesariana programada para fazer nascer uma criança, cujas últimas semanas de gestação ocorreram com a mãe em estado de morte cerebral.

O bebé, do sexo masculino, "nasceu com 2,350 Kg, após uma gestação de 32 semanas, sem complicações durante e após o ato cirúrgico", segundo comunicado do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

De acordo com informação do CHLC, a gestação de 32 semanas é o período mais longo de sobrevivência de um feto em que a mãe está em morte cerebral registado em Portugal.

Fonte hospitalar disse à Lusa que o parto decorreu no Hospital de S. José em Lisboa e que a criança se encontra na Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais da Maternidade Alfredo da Costa.

"A morte cerebral da mãe, S., de 37 anos, na sequência de uma hemorragia intracerebral, foi declarada no dia 20 de fevereiro, pelas 23h43", esclarece.

Segundo a nota de imprensa, a Especialidade de Obstetrícia avaliou a mãe, "S.", durante o período de gravidez, e considerou que o feto se encontrava "em aparente condição de saúde".

A Comissão de Ética e Direção Clínica do CHLC deu o seu parecer e, em conjunto com a decisão da família de S. e da família paterna da criança, acordaram manter a gravidez até às 32 semanas de maneira a garantir a viabilidade do feto.

"O Conselho de Administração procedeu à nomeação de um Conselho Científico para acompanhamento do processo, em cuja composição se integrou um representante da Ordem dos Médicos, um representante da Comissão de Ética, um obstetra e a equipa de intensivistas", adianta.