O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse esta terça-feira que «tem manifestações todos os dias» e que a CGTP não o esquece, onde quer que esteja, considerando que o país inteiro sabe o que pretende a central sindical.

Um protesto da CGTP esperava o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, à chegada para a inauguração do Hospital Senhor do Bonfim, em Vila do Conde, mas a comitiva entrou por outro acesso e os manifestantes não tiveram oportunidade de mostrar o seu desagrado ao governante«

Questionado pelos jornalistas sobre esta situação, o primeiro-ministro foi perentório: «Eu tenho manifestações todos os dias e não preciso de ir ao encontro delas, são elas que vêm ao meu encontro».

«E eu sei que os senhores jornalistas fazem sempre essa captação de imagem para que o país não se esqueça que a CGTP não me esquece todos os dias, onde quer que eu esteja. Mas somos velhos amigos, já nos encontramos todos os dias e já sabemos o que é que eles pretendem. Sabe o país inteiro, sabem os senhores jornalistas e sei eu também e portanto prefiro poupar o meu tempo», declarou.

Enquanto aguardavam Passos Coelho, os manifestantes gritaram palavras de ordem como «estamos fartos de aldrabões, queremos eleições», «Portas, Cavaco e Passos são amigos dos ricaços» e «a saúde é um direito, sem ela nada feito».

Os manifestantes, que envergavam bandeiras da CGTP e cartazes a pedir a demissão do Governo, apresentavam ainda uma faixa a dizer «Serviço Nacional de Saúde sim, não aos cortes», exigindo a Comissão de Utentes a construção do centro hospitalar da Póvoa/Vila do Conde que foi prometida.